Pessoas são importantes

“O profissional e o humano são indissociáveis.” A frase representa o binômio: ser e estar. Parte de nossa vida atuamos como profissionais e durante toda a existência, somos seres humanos. Essa consciência deve permear sempre as relações no trabalho, pois todo profissional está ligado à natureza humana. Ao se compreender o grau de complexidade e riqueza, é possível desenvolver ações adequadas na área de Gestão de Pessoas. Tanto em instituições privadas quanto nas públicas, desenvolver pessoas – e por conseguinte, os profissionais – deve ser meta diuturna. Se feita de forma holística, ou seja, olhando o profissional como um todo, estabelece a relação ganha-ganha: ganham as instituições, profissionais, clientes e contribuintes. Do amigo auditor fiscal, Carlos Dell’ Agnello, PR, do qual, em recente encontro festivo (oito estados presentes), na paradisíaca Guarapari-ES, vivenciamos momentos de descontração e lembrança das contribuições às administrações tributárias dos estados brasileiros. Gratidão!

Solidariedade que impera

Momentos difíceis como os das catástrofes do Rio Grande do Sul servem para se tirar lições. Enquanto a mídia televisiva faz divulgação na velocidade do fusca, as redes sociais voam de fórmula 1 disseminando informações, nem sempre verdadeiras. Talvez, tão importante quanto, a checagem sobre a veracidade da notícia antes do seu compartilhamento é o caminho adequado para se estancar aquilo que não vá somar. Pois o pior das tristezas já se tem. Trilhar na bondade dos brasileiros de boa-fé que se doam nas ações voluntárias, dos que esvaziam os bolsos, mas que não deixam de adquirir algum item aos que sequer dispõem do mínimo à sobrevivência. Baixar a guarda do ódio, da ideologia, do: “farinha pouca, meu pirão primeiro”. Classe social, raça, gênero, ideologia política, religião, tudo se transcende quando impera a solidariedade.
 

Sem burocracia

Enquanto a sociedade civil vai fazendo a sua parte, o poder público, em meio às burocracias, vai se esforçando para atender uma população sofrida e sem muita expectativa no horizonte. Ações imediatas, e outras com promessas para o futuro, são divulgadas. Algumas concretas, como a confirmada pelo Confaz – Conselho Nacional de Política Fazendária – do qual o secretário da Fazenda-SC, Cleverson Siewert, participa, ao dispensar da emissão de documento fiscal produtos doados e direcionadas ao Rio Grande do Sul Quando empresas se propuserem a fazer o mesmo, então deverá estar acompanhado de documento fiscal, embora sem o destaque do ICMS.

Foto: Eduardo Valente/Secom

Refletindo: “Quando deres esmola, não saiba a mão esquerda o que faz a direita”. Mt.6.3. Uma ótima semana! 

Por Pedro Hermínio Maria – Auditor Fiscal aposentado da Receita Estadual de SC

“Este é um artigo de opinião, cujo teor é de inteira responsabilidade do autor, e não expressa necessariamente a opinião desta entidade, não sendo, portanto, por ela endossado.”