industria 4

Setores econômicos de SC apresentam a maioria dos indicadores com desempenho acima da média nacional

Santa Catarina encerrou o primeiro trimestre do ano com crescimento nos setores de indústria, comércio e serviços, conforme apuração feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No período de janeiro a março, a produção industrial no Estado teve alta de 3,5% em relação ao mesmo período de 2023, o comércio ampliado cresceu 4,1% e os serviços avançaram 5,9% na mesma comparação.

Nesse mesmo período, a economia brasileira teve alta de 1,9% na produção industrial, cresceu 4,4% no varejo ampliado e 1,2% nos serviços. Apesar da variação menor no varejo, na média dos três setores, a economia de SC cresceu mais do que a nacional.

Indústria melhora desempenho

De acordo com a pesquisa sobre produção industrial mensal do IBGE, o setor, em Santa Catarina, cresceu 2,3% em março frente a fevereiro, na série livre de ajustes sazonais. Considerando esse indicador trimestral, o setor cresceu 1,1% de janeiro a março frente ao mesmo período de 2021 e ficou acima da média nacional que teve alta de 0,3% na mesma comparação.

Nos últimos 12 meses, a indústria de SC cresceu 0,7%. Mas em março frente ao mesmo mês de 2023, a produção industrial caiu -2,6%. De acordo com o Observatório Fiesc, da Federação das Indústrias de Santa Catarina, um destaque no trimestre foi a indústria de madeira, com alta de 4,0%, puxada pelas exportações aos EUA.

– Esse setor industrial é um dos mais internacionalizados do estado, com boa parte da produção destinada à exportação. Diante da melhoria no mercado imobiliário nos EUA, principal comprador dos produtos de madeira catarinenses, as exportações têm aumentado, contribuindo para o desempenho positivo no início do ano – explica o presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar.

No primeiro semestre do ano frente aos mesmos meses de 2023, na série sem ajustes sazonais, as maiores altas foram nos setores de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (12,9%), produtos de borracha e plástico (11,1%) e madeira (8,5%). As maiores retrações foram em móveis (-18,6%) e confecções (-5,8%).  

Comércio tem altas e quedas

O varejo ampliado de Santa Catarina, que inclui também materiais de construção, veículos e setor atacadista de alimentos, teve mais oscilações em março. Apesar de ter crescido 4,1% no primeiro trimestre frente aos mesmos meses de 2023, recuou -0,8% em março tanto em relação ao mês anterior, na série com ajuste sazonal e teve a mesma variação em março frente ao mesmo mês do ano anterior.

As maiores altas no primeiro trimestre frente aos mesmos meses de 2023, em volume, foram no setor de farmácias (11,8%), materiais de escritório (10,6%) e eletrodomésticos (9,5%). As maiores quedas foram em vestuário e calçados (-6,8%), livrarias e papelarias (-5,0%) e móveis (-3,9%). Os veículos e peças subiram 7,1%, combustíveis aumentaram 0,7% e os materiais de construção caíram 3,3%.

Serviços crescem

O setor de serviços em SC encerrou março com alta em todas as comparações. Frente ao mês anterior, na série com ajustes sazonais, cresceu 0,6%, frente ao mesmo mês de 2021 teve a pequena alta de 0,1%, no ano avançou 2,9% e em 12 meses, 6,9%, apurou o IBGE.

No primeiro trimestre, a maior alta ficou com os serviços profissionais, administrativos e complementares (9,4%), seguido por serviços de comunicação e informação (7,7%), serviços às famílias (4,9%), transportes (4,5%) e outros serviços (2,0%).

Essas pesquisas do IBGE são a base para o cálculo do Produto Interno Bruto (PIB). A do próximo mês, abril, ainda não vai apresentar impactos da tragédia climática do Rio Grande do Sul, que aconteceu no começo de maio. A tendência é de impactos negativos que começaram neste mês e seguirão nos próximos.

Via NSCTotal – Coluna estela Benetti